terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Mansão da Torre

Encontrei este local, enquanto "sobrevoava" os céus da minha Coimbra com a ajuda do Maps (best tool ever). Gostava de vos poder brindar com factos históricos desta magnifica quinta, no entanto não lhe apanhei o rastro no oceano que é a internet. Se algum dos leitores considerar que tem matéria para me ajudar a construir a vida do edifício faça o favor de me mandar! Sei que produzia Azeite e talvez aguardente, suponho que tenha sido pertença de famílias muito abastadas visto que tanto as estruturas edificadas como o terreno são enormes. A casa assemelha-se a um dormitório com, talvez, duas dezenas de quartos. Estava também dotada de uma capela que, como é habitual nestes sítios, foi completamente saqueada sobrando somente as pinturas do tecto. Aparentemente, esta quinta é "poiso" de um grupo de miúdos que, além de fazerem do espaço zona de desportos radicais, por lá têm montada a sede do seu "gang". A isto podemos somar o gosto por rabiscar paredes, bem visível em algumas salas do imóvel. Não me cruzei com nenhum dos "G's" mas eram frescas as evidências de gente no local. Em suma, uma propriedade lindíssima a poucos minutos do centro da cidade mas suficientemente afastada para garantir sossego a qualquer menos dado à boémia vida Conimbricense. É provável que tenha sido abandonada/esquecida por falta de verba para manter uma quinta desta envergadura.

Curiosidade, encontrei diversos livros de direito numa das salas... Será que o seu dono era um prestigiado advogado da Aeminium?


Complemento informativo gentilmente cedido pela seguidora F.

(in Gazeta de Coimbra, 06 de Agosto de 1925)






















Enviar um comentário